domingo, 31 de janeiro de 2010

Porque eu entrei na faculdade de Psicologia.

Eu ainda estou cursando Psicologia, então falo como estudante. 

Entramos com uma percepção limitada da Psicologia no seu aspecto prático, tanto que não é raro aparecer as dúvidas como "o que o psicólogo faz", "pra que serve psicólogo", "isso dá dinheiro". Temos uma ideia, que também é ingênua apesar de mais embasada, do aspecto teórico, circundada por algo que fez muito sentido de algum autor ou uma palestra e que despertou o interesse para cursar a faculdade e se aprofundar.

Ao longo do curso, pelo menos para quem não está nas faculdades top top com poder de pesquisa acadêmica e inclusão no mercado, fora delas parece que a Psicologia está com a plaquinha "under construction" (em construção). Quanto mais a gente estuda mais percebe que o trabalho vai ficar na versão beta além do tempo esperado. Isso pode não ser exclusivo das "mais modestas", mas a forma de lidar é bem outra.

Começando pelo fim da minha resposta, mas isso me fez pensar bastante nos motivos pela qual comecei: além de ser uma segunda opção (tinha intenção de cursar música - regência), sempre me interessei pelo conhecimento que psicologia proporciona na vida humana, ou seja, o que me fez entrar e me mantém na faculdade é o "tesão acadêmico" se é que eu posso dizer assim, a vontade de conhecer, de ser curioso sobre o tema, principalmente no que se refere aos "potenciais humanos", portanto um "motivo teórico". 

Há uma espécie de transição, como existe na ciência da psicologia atual, ou seja, é possível constantemente encontrar algo de novo, interessante nas pesquisas e usar na prática, daí, impressinado e satisfeito com o resultado.

Deve ser estranho não dizer o chavão "queria ajudar as pessoas", "quero entender a mente", "quero ter controle sobre as mulheres na cama", mas o tesão era tanto que nas aulas de piano eu levava um capítulo de Psicologia Experimental da editora Wiley para ler ao invés das partituras. lol

4 comentários:

Gabriela disse...

Sou aluna de Psicologia também, e por conta de uma pesquisa acabei caindo no seu blog, e concordo com o que você disse sobre "versão beta". Parabens :)

Marcelo Schiavo disse...

Obrigado, Gabriela.
E não é? rs Tem muita abordagem, pesquisas, técnicas, congressos. Ficando mais por dentro do assunto dá pra reconhecer fácil aquelas pessoas que sabem do que tão falando e não apenas reproduzindo o que leram.

Abração.
Marcelo

Denis Cavalcante disse...

Cara, no seu caso foi Música - Regência e comigo será Música - Instrumento...rs
Eu parei pra pensar e conheço alguns músicos formados que primeiro estudaram psicologia... não é nenhum dado científico, mas é semelhante à nossa situação..

Achei legal e decidi comentar.. belo texto... e graduação aí vou eu!!

Anônimo disse...

Oii aindma estou no ensino medio,mas pretendo fazer faculdade se psicologia. Eu estava ne fazendo essas perguntas que vc citou kkk sera que dá dinheiro? Será que é facil?.... antes de pensar em pscologua eu pensei na arquitetura
So que depois fui pensar e decidir a psicologia